RSS

O inicio do futebol em Ibicaraí

Foto: Arquivo Valdir Montenegro
Sport Club Vera Cruz 
Time do inicio da década de 30

Relatos que se tem conhecimento, que aproximadamente em 1934, foi construído o primeiro campo de futebol em Ibicaraí, ainda Palestina, situado no local onde hoje é a Igreja Matriz do Senhor Menino, nas terras de propriedade de Antônio Joaquim. O campo teve pequena duração, de 1934 até 1940 aproximadamente, lá aconteciam às primeiras partidas de futebol em nossa terra.
Foto: Arquivo Waldir Montenegro
Time de Futebol de Ibicaraí - década de 1940
Foto: Arquivo Nivaldo Melo
Clube Ibicaraí Esporte
  Time de futebol ainda na época de Palestina  em 1947.

Em 1940 foi transferido para outro terreno cedido pelo senhor José Cachoeira, neste local não havia nenhuma construção em suas proximidades. Era situado exatamente em frente, onde hoje esta construída a Igreja Adventista do Sétimo Dia, seu acesso se dava pelo começo da antiga Rua Jacaré (atual Tiradentes). Nesta época tinha o Clube Ibicaraí Esporte, mas o Clube Atlético era o grande time da época, onde atuavam o goleiro Milton Lavigne, Raimundo Neves, Alípio Caldas, Álvaro Alpoim, Wabi, Carlos Lavigne, Antônio Bahia (ponta direita, exímio driblador e goleador), não esquecendo o ponteiro Vitrola vindo de outras paragens, bem como Duca, Pedro Pardinho, José de Júlio e tantos outros. Passado alguns anos a família Cachoeira transferiu por venda sua fazenda a outro proprietário e este não mais, permitiu que se praticasse o futebol naquele local. Os amantes do futebol passaram a praticar no outro lado do Rio Salgado em campo já existente na fazenda São Salvador, de propriedade do Senhor Ursulino Teixeira de Nascimento, onde apelidaram de Teixeirão. Lá foram disputados jogos memoráveis, e o que se tem registro, foi o titulo do Ibicaraí Esporte Clube em 1949, com a seguinte formação: Osmar Estrela, Antônio Macário, Satu, Nivaldo Melo, Valdo, Pepê, Washington e os irmãos Carmecito e Vivaldo Maciel. O treinador naquela oportunidade era Boaventura, veterano que saiu do futebol itabunense.

Foto: Arquivo Maradona Esteves
Fluminense de Raimundo Esteves - 1958

Da esquerda em pé: Raimundo Esteves, Carlito, João Neri, Edvaldo, Antônio Fosco, Zé Esteves, Carlito 2º, Carlos e Walter. Agachados: Braço, Batucada, Rodrigo, Egdemo e Geraldo.

Já em 1951, o Fluminense de Raimundo Esteves, jogando no Texeirão teve seus momentos de glórias.
Em 1954, a Pérola sob a Presidência de Euclides Rosalino dos Santos sagrou-se campeão com a seguinte formação: Carlito, Edwaldo Costa, Nivaldo Melo, Valdo, Mendonça, Nailton, Carmecito, Carlos Sena, João Bahia, Noca, Betinho e Gaduca.
Em 07 de setembro de 1953 fundou-se a Liga Ibicaraiense Litero Esportiva, com as seguintes equipes: Pérola de Euclides Rosalino, Ibicaraí Esporte Clube (origem dos alfaiates), Fluminense (origem sapateiros), Flamengo (origem dos comerciários), Juventus (Duca Dentista), São Salvador (da fazenda do mesmo nome), Santa Terezinha (dos Coquinhos) e Palmeiras de Floresta Azul. Dentre os Presidentes podemos destacar Atanagildo Morais de Assis, Euclides Rosalino dos Santos, Nicécio Bráulio Dantas, Nelson Monteiro Ferreira, Almir de Souza Luz e José Neri de Santana eleito três vezes presidente.
Decorridos alguns anos o Senhor Euclides Rosalino dos Santos, já engajado ao desenvolvimento do futebol junto a tantos outros entusiastas, resolveram adquirir um terreno ao Senhor Abdalla Temer Habib para a construção de um novo campo, cujo local hoje é o Estádio Euclides Rosalino dos Santos. Em 25 de outubro de 1956 registrou no Registro de Imóveis do 1º oficio em Itabuna - livro 3 sob nº 15 202 fls. 141.
Foto: Arquivo Nivaldo Melo
Flamengo de Hercilio Nunes
Tivemos em 1958, a campanha marcante do Flamengo de Hercílio Nunes no velho campo de Ursulino Teixeira com os seguintes jogadores: Titia (goleiro extraordinário), Salvador Borges, Dida (irmão de Miu), Nivaldo Melo, Boca Rica, Orlando Mãozinha, Gajé, Miu Alfaite, Nelson Papo, Humberto e Domingos Fininho. Neste mesmo ano, no dia 6 de outubro, tivemos a fundação da Associação dos Estudantes Secundários de Ibicaraí (AESI), se filiou a L.I.L.E. e disputou alguns campeonatos.

Em 1970, foi dado inicio a construção do muro do Campo, antes disso tinha um muro feito de taipá, (barro e vara) idealizado por Nicécio Bráulio Dantas, graças a sua iniciativa pôde ser concretizado este sonho. A pedra fundamental foi colocada pelo professor Oscar de Queiroz Matos, quando na oportunidade assumiu o Poder Executivo.
Foto: Arquivo Murilo Benevides
Em 24 de julho de 1972 em sessão extraordinária, a diretoria da Liga Ibicaraiense Litéro Esportiva, reuniu-se sob a presidência do seu presidente José Neri de Santana, representantes dos clubes filiados, e diretores, além do então prefeito Raimundo Cordeiro de Almeida, cujo teor da reunião era para que se fizesse um convênio entre o Governo do Estado e a Prefeitura Municipal, para ampliação e obras de melhoramento do estádio municipal de futebol, e isso só seria possível, se a área que correspondia o mesmo passasse ao patrimônio municipal, esta era uma das exigências da Secretaria do Trabalho e do Bem Estar Social (SETRABES). Os representantes de clubes filiados a Liga, outorgaram plenos poderes para que o presidente da Liga Ibicaraiense Litéro Esportiva, fizesse a doação do terreno com as benfeitorias através de Escritura Publica, e que constava que a administração do Estádio, continuaria a ser gerida pela Liga Ibicaraiense Litéro Esportiva, dirigindo torneios, campeonatos, jogos amistosos e demais competições esportivas. Em 22 de outubro de 1972 foi inaugurado o Estádio com a construção de 30 metros de arquibancadas com capacidade para 1.000 pessoas, construção dos alambrados, e as muretas, construção de vestiários para os atletas, um sanitário público e revisão do gramado. Em homenagem a um dos maiores desportistas de todos os tempos passou a se chamar Estádio Euclides Rosalino dos Santos.
De lá pra cá, o Euclidão como e chamado carinhosamente pelos desportistas locais, testemunhou grandes espetáculos futebolísticos, proporcionados por grandes craques daqui, e vindo de outras cidades.

Foto: Arquivo Murilo Benevides
  Estádio Euclides Rosalino dos Santos (Euclidão) na década de 1970.

  • Digg
  • Del.icio.us
  • StumbleUpon
  • Reddit
  • RSS
11Comentarios

Mais um pouco da história

Agradecimentos a:

Carlos Lima, Nivaldo Melo+, Miu Alfaiate, Waldir Montenegro, José Raimundo Dias, Adelmo de Tota, Ionaldo Nunes, Eduardo Miranda, Idma Monteiro, Valtaire Alves Moreira, Agnor Barbosa, Jerry Adriane, Antônio Raumundo, Sr. Dedé, João Messias, Ernane Vasconcelos, Naziozênio Raimundo, Idalicio Pascoal, Erasmo Carlos, Péricles Araújo, Carlos Barbosa, Waldemir Rodrigues, Josevan Alves Dias, Edvaldo Moreira da Silva, Ronilson Menezes, Luiz Moura, Antônio Narciso, João Leal, Vivaldo Assunção, Raimundo, Mimi, Mano e Nelito de Floresta Azul, Agnaldo Gama, Josuel Nunes da Cruz, Antônio Lins de Araújo, Profº Julival Pereira, Uracy Costa, Ubaldo Costa, Domingão do Andrezão, José Gilvan Santos, Raimundo da Vila, Profª Márcia, Zé Mago (Faz. Estrela da Paz), Raimundo Nascimento, Aldair Campos, Givaldo Taxista, Morcher do Paraguaçu, Antônio Macário Filho, João Machado, Edmundo Gonçalves, Noélia Costa, Joselito Leal, Jorge Fernandes, Claudionor José de Lima, Ordival Gama, Adonai PM, Adilson da Mata, Portugal Alfaiate, Jardel Oliveira, César Bernardino, Gilson Ribeiro, Waldir (Neném), Elias Dias, Raimundo Conceição, Guilherme da Bandeirantes, Rita Braitt, Tonico e Lali Brito, Dona Rosalina, José Pereira, Edna Cardoso (SESP), Eduardo Reis, Dona Hélia, Paulo Roberto Dias, César Ribeiro, Elpidio Bispo, Moisés Calazans, Regis da Feira, Leda Alves, Álvoro Caldas, Mário Abreu, Rodrigo Conceição+, José Sebastião dos Santos, Arnaldo Esteves, Zenildo Cerqueira (Quiquinho +), Antônio Macedo, Murilo Benevides, Reinalto Souza.

Depoimento:

Eu acompanhei a incansável luta de Sandoval Novais, para a realização desta obra, que tanto engrandece o passado e o presente da história futebolística da nossa querida Ibicaraí. Através desta imensurável força de vontade, é que a pesquisa aqui publicada torna - se um abrir de olhos, em relação à atenção, com que devemos tratar às gerações futuras que hão de se envolver com o esporte, aqui o leitor (a) encontrará a real narrativa, verdadeiramente encontrará a informação colhida literalmente na fonte, sempre narrada a partir de personagens que atuaram diretamente na história é isto que dá notoriedade e credibilidade a esta obra. Sou testemunha das privações a que Sandoval teve que se submeter por amor ao esporte, mas graças a sua perseverança é que o mundo hoje, toma conhecimento dos bravos heróis do nosso esporte, esta narrativa certamente será imortalizada, e com certeza, em um futuro próximo teremos o reconhecimento e apoio aos atletas da nossa querida Ibicaraí – Bahia.

Não posso deixar de relatar, a participação ativa do desportista Carlos Lima, que assumiu o trabalho de logística, agiu como um verdadeiro escudeiro, sempre auxiliando Sandoval em pesquisas de fotografias, recorte de jornais, e até mesmo entrevistando os protagonistas desta rica história, por muitas das vezes, presenciei Sandoval e Carlos Lima ficarem debatendo por horas em relação ás fotos e entrevistas colhidas junto aos remanescentes da história futebolística Ibicaraiense.

Parabéns Sandoval Novais, parabéns a Carlos Lima, vocês são verdadeiramente pessoas bem aventuradas.

André Luiz Evangelista Santos

- Blogueiro-

Se ligue na melhor